2013/07/20

Pipocas doces

Tenho 29 anos, estou desempregada e vivo com os meus pais. Dedico uma parte do meu tempo diariamente a ter pena de mim e a questionar-me sobre o porquê de ter a vida que tenho. A tentar perceber o que correu mal e a menosprezar tudo o que correu e corre bem.
Numa fase especialmente delicada em termos de finanças familiares e de dúvida sobre qual deve ser o meu papel, quando dou por mim a achar-me uma coitadinha porque passo a ferro em vez de dar uso à licenciatura e ao mestrado, encontro-me quando finalmente vejo os meus pais sorrirem por qualquer coisa que eu fiz. Eram só pipocas de microondas, mas a gulodice trouxe pelo menos sorrisos matreiros, para triste já chego eu.
Só então me lembrei que não via o meu pai sorrir com vontade há algum tempo. E então lembrei-me que talvez ele seja mesmo corajoso, perante as adversidades por que já passou. E lembrei-me de que talvez uma parte da minha tristeza seja por achar que não lhe dou motivos para sorrir.

2012/01/13

Inevitavelmente

Tinha que voltar a escrever aqui. Até porque Janeiro é o mês dos gatos. E volto com um filme de terror protagonizado pela poesia infantil.

Além do "atirei o pau ao gato" e d'"as cuecas do juiz embrulhadas no jornal", lembro-me sempre do "Era uma vez um cavalo que vivia num lindo carrocel. Era tão lindo e tão belo, cavalinho, cavalinho de papel. A correr, a saltar, cavalinho não saía do lugar.".

Será que explica o facto de eu não gostar de palhaços, à exceção do Batatinha? Acho que uma vez me mascararam de palhaço e eu desatei a chorar em frente ao espelho. Se hoje visse o Batatinha na rua, provavelmente fugiria, em vez de começar a chorar.

Dizem "quem anda à chuva molha-se". Pois o cavalinho de papel é apenas uma peça de origami.

2007/08/30

Esta vai ser a última vez que escrevo neste blog.

Para mim, este final encontrava-se iminente. Então, desde a última mensagem que aqui escrevi que tenho andado a pensar no que escrever na minha despedida, embora talvez não se trate da minha despedida, mas apenas a despedida de um blog.

Continuo a considerar que tenho uma vida abaixo de gato, pois muito embora sejam animais domésticos, têm uma liberdade e uma independência fantásticas. O Tico e a Cinha que me acompanhavam no início deste blog já morreram há muito, tendo levado no estômago o Hilário, que era o meu canário. Entretanto tive mais dois pássaros, mas acabaram também por falecer... Houve ainda a gatinha branca chamada Titinha que, de tanto ser lavada pela minha mãe, fugiu de nossa casa. Além destes animais tínhamos também um cão, Tito, um cão muito brincalhão e um excelente cão de guarda. Mas foi atacado por um bicho e depois de ter sido tratado no veterinário acabou também por morrer. Agora, sem nenhum animal doméstico, sinto muitas saudades de todos estes bichos.

O blog termina então, pois tornou-se numa coisa um pouco triste e amarga que muito pouca gente lia. Acho que houve algumas pessoas ainda a apreciar as fotografias também.

Eu ainda não acabei o meu curso, uma malograda licenciatura pré-Bolonha.

Já agora, que escrevo sobre o final de um curso, gostava de deixar uma pequena referência ao espírito académico. Não tenho absolutamente vontade nenhuma de ir à Bênção das Fitas, nem de trajar. A explicação daria um novo blog, mas fica aqui registado o meu pensamento. Vamos ver se em Maio tenho vontade ou não.

De qualquer modo agradeço a todos que passaram por aqui e até qualquer dia.

2007/07/26

Por exemplo, descobri há pouco tempo que o meu blog é bastante ecológico porque tem o fundo preto. É agradável saber isso. No entanto, não gostei de usar o blackle e é chato, porque eu até gosto de fazer pequenas coisas que possam ajudar o ambiente, mas não gostei de usar um motor de busca com o fundo preto. Será que é porque estou muito habituada ao google? Também se pode dever à influência que as cores têm no design. Talvez se chegue aqui a um conflito de interesses: eu quero que a Terra seja um bom planeta para se viver, mas também quero gostar daquilo que vejo. Portanto, acho que chego à conclusão que cada um de nós tem que escolher no dia-a-dia as alturas em que pode ser ecológico e aquelas em que não pode. Deve ser mais do que «uma boa acção por dia», mas acho que também não tem que ser sempre.
Já me pus a pensar no seguinte: como é que seria o mundo antes de eu nascer. Porque uma coisa é sabermos a história: a Terra já era redonda e já se tinha ido à lua. Será que já existia o buraco do ozono?

Hoje em dia fala-se em pegada humana, mas antes disso só se falava no buraco do ozono. De qualquer modo, é engraçado ver a preocupação que o ser humano passou a ter com o seu habitat vinte e oito anos depois de ter chegado à lua. E os apelos que se vão proliferando valem a pena? Eu acho que sim, mesmo que o efeito não seja imediato. Acho até que é bastante importante fazer-se algo para que o mundo possa ser melhor, e o mundo não é só a Terra, é o mundo... Não podemos fazer nada pela lua, mas pela Terra eu acredito que sim.

2007/05/15

Gostava de saber escrever um texto sobre "convicção, segurança e auto-estima".

Estudei há pouco um texto intitulado "Conflitualidade Resolúvel". Este título é tão abrangente como "Convicção, segurança e auto-estima". O referido texto tratava da dificuldade em renovar ou introduzir infra-estruturas técnicas em edifícios a restaurar ou reabilitar.

Então, poderia falar, por exemplo, da insegurança que há ao se tratar um tema como a cidade de Lisboa. Insegurança quanto ao seu futuro, mas a certeza de que há muitas formas de a olhar. Para mim Lisboa é uma cidade linda, cheia de gente, gente distante, snobe e antipática; uma cidade cheia de ofertas culturais, onde posso encontrar qualquer filme que queira, qualquer livro, mas onde não tenho tempo nem companhia para aproveitar esse brinde. Mas é realmente uma cidade, em termos físicos, de que gosto.

No entanto, a verdade é que Lisboa funciona para mim como uma barreira física que me separa do meu lar, do meu ninho, daquilo que gosto. É esta barreira que me faz pensar muitas vezes "mas por que raio quis eu o curso de arquitectura em Lisboa?", "como é que eu previa que as coisas seriam para ter tanta convicção naquilo que queria?".

Dei por mim a pensar nisto depois de ver um excerto do filme "Alice". Já tinha tentado ver na televisão, mas acabei por adormecer… Neste dia, já sem sono, em que revi um pequeno excerto e li comentários do realizador, percebi que realmente para mim Lisboa é tudo aquilo - um nada cinzento em que vagueio sozinha para chegar a um objectivo…

Anseio pelo dia em que vou perceber se Lisboa me fortaleceu e fez crescer, ou se me tornou mais mimada, fechada e egocêntrica.

Quanto à auto-estima, é um conceito estranho para mim. Por definição, será a estima que sentimos por nós próprios. Então, se pensarmos que nós nos controlamos, devemos gostar sempre de nós… Caso contrário, não temos assim tanto autocontrolo ou não desejamos o melhor para nós. Faz sentido?

Mas eu acho que a auto-estima depende mais dos outros do que de mim. Se toda a gente me sorrir, me admirar, me apoiar, então pode vir alguém mal-encarado que não afecta nada - terei a minha auto-estima no alto. Mas isso seria hetero-estima… Que raio!...

Actualmente, e já há algum tempo, a minha auto-estima anda em baixo. E estive a tentar perceber porquê e desde quando. E acho que percebi.
Por alturas da discussão nacional relativamente à despenalização do aborto, escrevi a minha opinião numa espécie de fórum na internet. E houve alguém que, sendo assim, não me conhecendo, escreveu a sua opinião como resposta à minha, referindo-se a mim como sendo uma monstrinha anti-democrática, chegando mesmo a ser ofensivo. Quando li essa resposta, apesar de ver que tinha sido mal interpretada, só me apeteceu chorar e recriminar-me. Entretanto, mostrei o que se passava a quem me conhece, na esperança de ser defendida ou compreendida. Mas quem me conhecia ainda me deu mais na cabeça, achando que a minha opinião era exagerada e que no fundo "eu estava a pedi-las". Acho que desde então não me recompus. Por isso, a minha confusão da auto-estima. Será que a auto-estima é aquilo que permanece quando todos nos largam a mão ou aquilo que fica quando todos no-la dão? Seja como for, somos nós próprios que desencadeamos essas situações, ou não?

E assim uma coisa estúpida, a chamada merdice, tem-me atormentado há meses. E cada vez mais a pergunta se impõe "porquê".

Pode ser que para a próxima, quando tentar falar sobre "convicção, segurança e auto-estima", seja uma dissertação sobre o papel que as derrotas e vitórias do Benfica têm sobre os benfiquistas.

2007/01/08

Na minha primeira redacção de 2007 gostaria de deixar uma questão. Sempre me disseram que era normal que o cabelo caísse mais no Outono. Porquê? E isto pode aplicar-se a outras coisas? Será que, como seres da Natureza, podemos adoptar outros comportamentos ou estados característicos desta estação do ano? Sinceramente gostava de obter uma explicação e nem sei por onde começar a investigar…

2006/12/30

Às vezes uma pessoa não precisa de demonstrar tudo o que faz por a+b=c. Nem precisa que lhe
demonstrem tudo o que faz por f+e=d. Às vezes basta saber f para chegar a d.

E se um dia z disse x.y a alguém que era x, não precisa de ver x.y, só precisa de ver k em x.y=k.

Mas por muitas equações que se escrevam, nunca hei-de perceber quando falar e quando ficar calada. Daí o endereço deste blog, calara. Se calei tenho que escrever... Porque muitas vezes o diálogo pode ser considerado ofensivo, prepotente, hipócrita... e são raras as pessoas que encaram o diálogo como uma forma de chegar a soluções.

2006/11/08

Não gosto de ouvir pessoas a dizer constantemente que em Portugal não há isto, que no estrangeiro eu ganharia tanto, que se Espanha e Portugal fossem um só era o paraíso... etc etc etc. As fronteiras da União Europeia estão abertas e cada qual é livre de viver onde quiser, não fazendo sentido estarem constantemente a referirem-se a este tipo de comparações. Não se trata apenas de nacionalismo exacerbado, mas de verificar a tacanhez de pensamento de algumas dessas pessoas, que com certeza estacionam mal, conduzem desmazeladamente, constroem clandestinamente, gostam da sua cunha mas não das dos outros e por aí adiante... Essas pessoas serão também aquelas que gostam de passar todo o seu tempo livre no centro comercial com os seus filhos? Mesmo que sejam 23h e o filho tenha seis meses?... Sinceramente não sei se estou a estereotipar bem. Simplesmente queria deixar claro o papel que cada um tem nestas pequenas acções e que podem ser tão representativas das características de um país.

No entanto, cada uma destas pessoas paga impostos. E provavelmente tem direito a um país muito melhor. Peguemos no exemplo da construção. Um dos elementos mais importantes de uma cidade é a rua: grandes vias, avenidas, ruas de peões, escadas... Para funcionarem bem as ruas têm que ser de qualidade, têm que permitir a um automóvel a percorra em condições de segurança e a velocidades maiores ou menores consoante a sua escala, têm que dar segurança a um peão, mesmo aos incapacitados e, no fundo, têm que permitir que os fluxos de entrada e saída das localidades fluam. Então para quantos anos se pensa esta infra-estrutura? 50? 100?

Por outro lado temos os edifícios. Quantos anos durarão? Se for um edifício público mais, se for uma habitação menos.

Então porque é que as nossas estradas estão sempre tão más? Seja em Lisboa ou no Porto, no interior ou no litoral... o piso de uma estrada (que em muitos casos é a única coisa existente - um piso para a circulação de automóveis) dura... 3 anos, se tanto. Poderão dizer que há sempre uma manutenção a efectuar. Mas de 3 em 3 anos? Em que estrada?

Este exemplo foi apenas para referir que muitas vezes me parece que se pensa ao contrário em Portugal. Ainda bem que não somos só mais um país europeu, mas gostava no que se refere ao pensamento estratégico a longo prazo fossemos um bocadinho mais europeus. Porque eu quero viver em Portugal e acho que Espanha está muito bem onde está.

2006/07/31

O Verão em Portugal é incrível! E o engraçado é o facto de o que está a decorrer ser em tudo semelhante ao de muito e muitos anos. Então, o que é que varia realmente? Eu! Estar com a cabeça livre de problemas escolares dá toda uma nova visão do mundo: mais alegre e descontraída. É claro que certos dissabores permanecem, mas a coragem para os enfrentar e superar será, deste modo, mais fácil de encontrar!

O incrível deste Verão é a possibilidade de em 5 minutos, sem mudar de poiso num qualquer festim a um qualquer santo, poder ouvir músicas de José Malhoa e logo a seguir Bob Sinclair e volta José Malhoa e segue para Shakira.........! E porque não, ainda no mesmo poiso, mas um pouco mais tarde, Gnarls Barkley?

Pois é, férias e Verão serão sempre os temas mais elogiados neste blog!




A fotografia fica só para ilustrar um pouco deste meu Verão. Lindo mosteiro em tão bela Alcobaça!

2006/06/22

PORTUGAL ALLEZ PORTUGAL ALLEZ PORTUGAL ALLEZ!

2006/06/20

Se não me engano, escrevi aqui que nunca ninguém tinha sido complacente comigo... Enganei-me...! A verdade é que há pelo menos uma situação em que foram complacentes para comigo.

Ora, mas afinal o que é isso da complacência? Segundo o dicionário: disposição ou acto de comprazer; benignidade; benevolência; condescendência; agrado; apreciação lisonjeira. Com esta definição eu fico basicamente a saber o mesmo, porque acaba por ser uma coisa um bocado vaga... E condescendência o que é? Mais uma vez segundo o dicionário: acção de condescender; complacência; transigência. Um bocadinho mais concreto... Mas a verdade é que se eu continuar à procura de definições no dicionário não vou muito longe... Porque há-de haver sempre uma palavra ou outra cujo significado eu não sei exactamente qual é. Pois é... O problema dos dicionários é que não explicam o significado de uma palavra, arranjam outras palavras ainda mais rebuscadas para definir um mero substantivo.

Então, uma pessoa quando escreve tem que ter muito cuidado na escolha das palavras... E quando fala, também será assim? E quando ouve? Há que ter cuidado ao ouvir? Mas sendo assim tem que se ter muuuuuuuuuuito cuidado...

Pronto, agora que já corrigi aquilo que tinha escrito já estou mais descansada.

2006/06/11

E continua... Aparentemente sou uma rocha! Mais um pouco e começo a cantar músicas do Rambo!

É uma forma estranha de começar. Distraída como sou, só ontem me apercebi que por mais regras de jogo que saiba, por mais jogos a que assista ou por mais oportunidades que tenha, eu, de facto, não nasci para praticar desporto. E a explicação até é bem simples... o meu corpo não nasceu programado para isso. Também ainda não sei para o que é que foi programado, mas espero um dia descobir. Assim, por muita vontade que tenha para correr ou por muita vontade que tenha de ganhar, isso não me vai servir de muito, porque o corpo não corresponde a essas aspirações. E pode ser a lançar o dardo ou a jogar badminton, o melhor é mesmo não ter ilusões. Isto não quer dizer que eu deixe de me divertir, mas muda completamente a perspectiva das coisas.

2006/05/30

Já ouvi falar que já ninguém suporta blogs que mais parecem diários sentimentalistas da vida de alguém. Não sei se o meu blog está incluído no lote. Mas só posso falar das minhas experiências, pois tudo o resto são informações que tenho, não são conhecimentos.

Sendo assim, gostava de falar de uma coisa que me acontece constantemente: parecer que me cai tudo em cima. Sempre fui, sou e serei, daquelas pessoas que tentam fazer-se de fortes em qualquer situação. Seja porque acabaram de me dar uma chapada, porque me disseram coisas horríveis, ou porque estou mal com o mundo. Tento sempre não deixar transparecer os meus dramas. Isto porque acho que cada pessoa tem as suas infelicidades, não é necessário andarmos sempre a lamentar-nos dos nossos próprios problemas. Além disso, ao tentar ser forte, posso realmente tornar-me forte, enquanto que assumindo totalmente a minha fraqueza, serei sempre fraca. É só o que eu penso...

A questão é que com esta minha atitude, com esta minha máscara, que só alguns (muito poucos mesmo) reconhecem, parece que nunca nada me atingirá e que aconteça o que acontecer eu aguento. Então, quando eu sei que estou mais preocupada com alguma coisa, quando eu estou triste por algum motivo, quando faço alguma coisa mal, e não o revelo ao mundo como sendo o centro do seu girar, parece que ainda atraio mais preocupações, mais discussões... Nunca, e tenho a certeza disso, nunca ninguém foi complacente comigo. É essa a sensação que eu tenho.

Acho que se põe aqui em causa a responsabilidade dos nossos actos. Pois se eu não pareço fraca, se quero ser forte, porque há-de alguém ser mais compreensivo comigo, já que não sabe da minha tristeza?

Não é aqui que vou encontrar respostas. Mas começo a pensar se não devo começar a "fazer ronha"... parece-me um método que resulta para muita gente.

Isto tudo para dizer: está a cair-me tudo em cima, estou triste e ainda ninguém percebeu.

2006/05/20

Sabem aquela expressão "Tenho saudades do tempo em que tinha tempo"?

Eu nunca tive muito tempo, porque no fundo já dedicava o meu tempo às coisas de que mais gostava. Mas agora que me vi obrigada a arranjar tempo quase só para uma coisa, como sinto vontade de fazer todas as outras...

Muita gente deve saber o que isto é. Uns porque trabalham demais, outros porque não podem trabalhar, outros sei lá... Mas também haverá gente com a vida equilibrada.

A minha questão é: devemos ceder aos nossos desejos ou às nossas vontades repentinas?

Digo isto, e para que não haja confusões, porque para quem não sabe fui jogadora de andebol até a um tempo recente. E apesar de não me ter trazido só felicidades (pois é, malandras das lesões), trouxe-me muitas coisas boas. Mas se um dia voltar, não quero nada que..., aliás, quero muito sentir...., bem, como qualquer desportista gostava de me sentir necessária. Não sou como futebolistas algo pretensiosos da minha idade que querem subir na vida; só quero sentir que eu estava lá e de uma forma ou de outra participei na minha equipa. Eu também não posso ser pretensiosa, mal de mim se o fosse...

Portanto, o que interessa é o aqui e o agora. E neste momento o que me interessa mesmo é o fim do ano lectivo. E mais uma série de coisas, não consigo evitá-lo. Aaaaai...!


que fotografia tão velhinha!

2006/05/14

Parabéns ao FCP pela primeira conquista de um título em Portugal sem que haja caca nas bancadas! :)

Ah espera...! Houve caca!

Parabéns Co.

2006/01/14

Uma vez que a minha inspiração e o meu tempo fogem para poucas áreas, gostava apenas de deixar aqui testemunhos de algo que me dá bastante prazer. Uma das coisas a que os deveres escolares me obrigam e que me agrada mesmo muito. Passear pela cidade.

Estas fotografias foram-me úteis cada uma da sua maneira. A escadaria de Santo Amaro, o arco da capela de Santo Amaro, uma pequena casa nos seus arredores e, contrastando, o afamado Bairro das Estacas. Julgo que as imagens falam por si, mas há uma que tem uma história mais peculiar.

Quando fui tirar fotografias a um arco da capela de Santo Amaro em Lisboa movia-me o dever de estudar um arco histórico numa cadeira estrutural. No entanto, quando me viram aproximar-me e tentar medi-lo fui convidada a entrar e ver a capela, que muito me interessava. Então aceitei o convite, e mesmo arriscando-me a atrasar-me para as aulas, aceitei as palavras sábias de história do sacristão. Ali encontrei uma verdadeira casa de Deus, tão singular e pequena, mas cheia encantos. Aquilo a que se chama um paradigma...



Para se chegar à capela de Santo Amaro de Lisboa, podem subir-se estas escadas. Achei-as muito interessantes. Já as tinha subido mais vezes, mas quando vi este senhor nesta vontade de subir foi diferente. São das poucas, mas ainda existentes, ruas pedonais, e ainda mais raras, em escadaria. Bonito.



Ainda nas minhas deambulações em volta da capela, encontrei este pátio amoroso que aqui faz todo o sentido lado a lado com o Bairro das Estacas. Aqui se vê a heterogeneidade da cidade de Lisboa, pois que estando distantes no tempo e no espaço, estas duas habitações continuam a fazer parte da mesma cidade e a ser ninho para as mesmas pessoas.

2006/01/11

Não há nada como este flutuar de final de semestre mal dormido.

2005/11/14

Numa das minhas primeiras entradas no blog, refiro que sou estudante na Faculdade de Arquitectura de Lisboa. E continuo a ser. E é engraçado que quando comecei o blog estava no fim do 1º ano, nas primeiras férias de Verão da faculdade. E foram umas grandes férias. Estava feliz da vida, porque tinha feito todas as cadeiras com boas notas. Passei muito e bom tempo na praia, nesse Verão. Entretanto o blog foi andando sempre e a minha vida escolar também. E agora que me encontro numa altura do curso em que sinto que levei uma facada nas costas pela faculdade (estive um mês a frequentar as aulas erradas por ter sido mal inscrita pela secretaria da faculdade e agora tenho que recuperar o tempo perdido...) mais uma vez o blog será levado pelo vento do que me acontece.

A situação de secretaria que descrevi revoltou-me bastante. No início tentei ser forte, mas logo tudo parecia desmoronar à minha volta. Agora, estou a tentar levantar-me dos destroços que ficaram. Espero ter força e coragem para tal. Espero e hei-de ter! E hei-de ter tanta energia e autonomia como tinha no 2º ano! YEY!

2005/10/31

Estava aqui a ler a última entrada no blog... Espero não ser mal interpretada naquilo que escrevi... Mas se for, paciência...

2005/10/28

Está a chegar o dia do bolinho!!!
Pois é, ninguém vai perceber o que é o dia do bolinho, mesmo que eu diga que é o dia do Pão por Deus... Mas bem, é dia de todos os santos. E para mim é o feriado religioso, a seguir ao Natal e ao mesmo ní?vel que a Páscoa. E isto porquê? Bolinho.
Desde muito pequena, que no local em que cresci é costume as crianças e os jovens pegarem em sacas de pão e irem em grupos por todas as casas da aldeia (até onde as pernas aguentarem) pedir bolinho, entoando "OH TIA DÁ BOLINHO!" ou "OH TIA DÁ PÃO POR DEUS!". Eu sempre gostei mais da versão do bolinho, isto porque quando a resposta é negativa ou demorada rima sempre "SE NÃO LEVA COM UMA CAVACA NO FOCINHO!". É claro que as crianças nem conseguem pegar numa cavaca com as duas mãos, quanto mais dar com elas no focinho de alguém. Mas eram grandes tempos. Com uns dias de antecedência combinam-se os grupos, depois o percurso e depois de tudo era aproveitar a maior quantidade de guloseimas que recebí?amos. E durante uma semana o melhor acabava-se: pastilhas, caramelos, bolos bons... Havia ainda quem desse uns tostões, mas isso é outra história. Durante um ou dois meses, ainda havia restos de rebuçados do dia do bolinho.
Agora, já não tenho idade para isso, mas quase toda a gente na minha famí?lia faz bolinhos (merendeiras dos santos) para oferecer na famí?lia. O que é muito bom. Mas conheço outras famí?lias para quem a tradição não é tão importante e se dá dinheiro as jovens. O que também não é mau, mas muito menos delicioso. E assim, este fim-de-semana prolongado vai ser bom, porque ainda há a acrescentar a ocasião de roubar um bocadinho da massa enquanto estiver a repousar, pois crua também é cá um pitéu!
Eu acho que toda esta tradição tem muito a ver com as colheitas de final de verão e iní?cio de outono. Ainda bem que há Santos!
Mas também há a curiosidade de, por exemplo, na Guarda, ou noutras regiões, este dia ser celebrado de forma completamente diferente. Tanto quanto sei, é um dia dedicado apenas aos defuntos... Eu acho isso triste. Tão triste como os funerais, aos quais gosto cada vez menos de ir, porque lembro-me sempre dos que já partiram e em vez de chorarmos mortes acho que deverí?amos celebrar as vidas que tiveram, pois a morte é inevitável, não pode ser tão triste. Se já estamos todos a fazer conta com ela um dia...
Bem, tudo isto para dizer que o Halloween não é uma questão vaga ou original dos Estados Unidos. Junta os mortos e o pedido de pão por Deus. Interessante, não é? É omelting pot.
Inté!

2005/10/02

Acho que nesta altura do ano se torna muito difícil não falar e não pensar nas eleições autárquicas... Ainda há pouco fui ao supermercado e lá andava a campanha... Pois a minha maior ideia acerca das eleições autárquicas refere-se ao incrí?vel gasto e desperdí?cio. Não digo que toda a campanha eleitoral seja um desperdí?cio, mas desperdiça-se muito, demasiado. Já viram a quantidade de papel que é gasto?? Será que 30% desse papel é reciclado? Julgo que nem tanto. E depois os brindes. Quantas pessoas usarão as canetas, os porta-chaves e os bonés? Desta forma a minha atitude é, como sempre foi, não aceitar papéis nem papelinhos, já o fazia quando se tratava de publicidade de rua e agora vou continuar a fazê-lo. Isto porque de alguma forma já tenho ideias definidas quanto às eleições e quando quiser saber mais procuro, não me vou por a receber papelada que sei que daí a meia-hora vai para o caixote do lixo. Pois! Porque na minha rua não há sequer um ecoponto decente! Portanto, amigos que andam por aí? nas campanhas, não se melindrem por haver gente a não querer receber o vosso papel. É um favor que fazem à?comunidade.
Quanto ao resto da campanha, apoio toda a discussão de ideias, todo o empenho, todos os sonhos e todos os empreendimentos imaginários que ambicionamos. E o lavar de roupa suja também tem a sua piada, de outra forma do que é que o comum mortal se ia rir? Do facto de haver candidatos que estiveram fugidos à? justiça por terras de Vera Cruz e manipulam completamente o sistema judicial para se voltarem a candidatar?? Com um partido por detrás, ou não, não sei, mas com o apoio de pessoas... Sinceramente... É vergonhoso, para qualquer cidadão. Por isso, gente de Felgueiras, exerçam o vosso direito de voto, exerçam-no livremente, mas pensei bem no que vos andam a fazer.
Já agora quero aqui manifestar o meu grande entusiasmo com esse maravilhoso passatempo que é o SU DOKU. Da mesma forma gostava de manifestar a minha alegria com a chegada do Outono: há anúncios novos na televisão! É que eu sou daquelas pessoas que muitas vezes prefere ver os intervalos publicitários a programas de televisão. Vá se lá saber porquê!...

2005/09/24

Será que 30% é muito?

Foi quanto o Santana Lopes teve nas últimas eleições legislativas, não foi? Bem, ele sobreviveu, apesar de tudo. Parece que nos caiu tudo em cima, já dizia o outro...


Aaaaaai

2005/09/22

Já se passou algum tempo desde a última vez que escrevi aqui. E agora que releio o blog fico mais ou menos sem saber o que escrever...

Em três meses tanta coisa mudou, estando a maioria exactamente na mesma.

O bronze está igual, a ansiedade mais ou menos. O cabelo não tarda nada volta ao mesmo... Mais umas roupitas, menos outras...

O que me inquieta mesmo é o que muda nas pessoas antes e depois de algo acontecer. Antes do Verão estava cheia de expectativas, de esperanças, de vontades. E agora... estou cheia de medo porque só... digamos que... 70% do que eu gostava que acontecesse aconteceu.

É verdade, sou bastante exigente. Comigo, com os outros... Por isso toda a gente que me conhece sabe como sou difí?cil de aturar. Mas é assim a vida.

Gostava de aproveitar para me despedir do sol, que agora vai ficar um bocadinho mais longe... E uma vez que este ano se contam pelos dedos as minhas idas à? praia, porta-te bem aí pelo Hemisfério Sul que para o ano quero-te cá outra vez. Aproveita e vê se tratas é de acalmar os furacões, os tufões e outros que tais.

Só mais uma coisa, não te esqueças do Verão de S. Martinho...

2005/06/02

Gostava de saber porque é que quando se está triste é tão difícil ficar alegre...

Falta-me algum botão onde possa trocar os meus estados de espírito? Eu acho que sim.

Há alguém que queira inventar isso?

Não... acho que isso ia fazer de mim um robot e eu ainda gosto de ser humana.
Bom dia!

Que belo dia! E, no entanto, que raio de dia! Grrrrr

2005/05/29

Boa noite!
Parabéns Vitória!

Mas desculpa lá, NINGUÉM PÁRA O BENFICA, NINGUÉM PÁRA O BENFICA...

Para o ano há mais! Muuuuuuuuito mais!

2005/05/24

E agora que o Benfica é Campeão e ninguém o pára, há, como é lógico, outras coisas a irritar-me.

Irritam-me as relações por interesse que existem na faculdade. Irrita-me a irresponsabilidade dos meus colegas. Irritam-me os trabalhos de grupo. Irrita-me, ainda mais, a irresponsabilidade dos professores, os professores!

Que no futuro eu saiba lidar melhor com estas situações, já que pedir para que elas deixem de existir seria pedir demais... Uma andorinha não faz a Primavera... E, além disso, quem semeia ventos colhe tempestades. E por tempestades já me chegam as da hipocrisia, quanto mais as da rebelia ou da solidão. Se bem que... quase sozinha já eu estou...!

FORÇA BENFICA LA LA LA LA LA LA LA FORÇA BENFICA LA LA LA LA LA LA FORÇA BENFIIIIICA LA LA LA LA LA LA....

2005/05/23

SLB.... SLB SLB SLB GLORIOSO SLB GLORIOSO SLB

Obrigada Benfica!

2005/05/15

Como boa benfiquista que sou, não podia deixar de passar esta data em claro. Ontem o Benfica ganhou na Luz ao Sporting por 1-0 e está agora a um passo do título nacional. Não posso deixar de admitir que o meu sorriso se abriu de uma forma tão expontânea, como já não acontecia há muito. Não sei explicar, mas ser benfiquista é realmente ter uma chama imensa na alma, uma fusão de emoções. E eu sabia que se ontem tudo não tivesse corrido tão bem ia chorar, mas ainda bem que sorri! Pois sinceramente já estava farta de ao ser benfiquista ter que andar sempre a lamentar-me... Ainda sou novita, então só me lembrava da festa de um campeonato... Portanto, e sem deitar foguetes antes da festa, quero muito ter ainda mais motivos para festejar.

Também queria aproveitar para referir que assisti, mais uma vez, a um excelente concerto dos JIM DUNGO, o que é sempre uma boa forma de festejar. Eles são uma banda já com alguns anos, não têm originais, mas tornam seus os temas de outras bandas. São uma banda de espectáulo e alegria, gente porreira...

Aaaai!... E o fim de semana já lá vai. E este posso dizer: foi muito bom!

2005/05/05

Neste dia em que nos encontramos na mais plena das primaveras quero falar de um inverno europeu. Fui ver o polémico filme sobre Hitler e a Queda do 3º Reich.

Desde já, aconselho o filme, pois é de extrema qualidade. Mas aviso os mais sensíveis, como eu, de que se trata de um filme extremamente intenso, forte e violento, tanto a nível da acção da guerra como a nível ideológico.

Eu era uma daquelas alunas que passava as aulas de história maravilhada com o passado. Infelizmente nunca me ensinaram muito bem o que foi o século XX (também não creio que fosse possível, pois não está assim tão longe). E mesmo aquilo que me ensinaram eu não gostei. Para mim a 1ª Guerra Mundial será sempre associada a uma imagem de um livro de história. Nesta encontravam-se soldados em trincheiras, com máscaras de gás e tudo era destruição, arame farpado e cinzento... É engraçado como a impotência fotográfica da altura também não favorece nada, a limitação do P&B tornou tudo feio...?... Será que Hitler, já na 2ª Guerra Mundial, se tivesse sido registado pelos maiores génios da pintura alemã, tal como os pintores franceses pintaram Napoleão, a sua imagem actual seria melhor?

De qualquer forma. As minhas imagens da 2ª Guerra Mundial já são a cores e vêm maioritariamente da arte do cinema (que também manipula cor...). Essas imagens, esses cenários, esses ambientes também tinham sido sempre do ponto de vista dos Aliados, do povo judaico ou do simples opositor à guerra. Então, já tinha percebido o "quem contra quem", quem era justo e quem era injusto (segundo os meus valores), o drama social, o drama... Bem, pela primeira vez vi um filme sobre a faceta Nazi, sobre a crença Nazi e sobre a inocência entre os Nazis. Vi homens a preferirem o suicídio a um mundo contrário aos seus ideais. Vi mães a preferirem matar os filhos a imaginarem-nos a viver num mundo sem nazismo. Vi um homem a ser idolatrado até à exaustão, mesmo quando ele próprio já nem sabia o que dizia e era um caso grave de demência. Vi crianças fascinadas pela ideia de poderem guerrear. Vi o ideal da destruição para possibilitar a construção de um mundo perfeito. Mais, vi a crença num mundo perfeito. Vi pessoas íntegras, vi pessoas da pior espécie.

Concluindo, não acredito no Nazismo, mas também não acredito no extremo oposto, pois, na minha opinião, o que os separa pode ser uma ideologia oposta, ou contraditória, mas isso acaba por ser uma fronteira muito pequena entre coisas supostamente tão diferentes. Acaba por ser tudo o mesmo: cabeças duras e facciosas.

E pergunto-me, não há ainda muitos ditadores no nosso mundo?? Não me refiro à política, mas ao dia à dia. Porquê? Qual é a necessidade incontrolável que o ser humano tem na sua afirmação?

2005/05/02

Gostava de saber o que pensam sobre centros comerciais.

Gostava que alguém me dissesse o que pensa e porque pensa.

2005/04/30

Nem sei como começar... Só sei que estou irritada.
Eu gostava de escrever sobre coisas do interesse geral, gostava que as minhas ideias fossem interessantes. E será que estar irritada é razão suficiente para ocupar espaço na net?
Irritaram-me porque me disseram que achavam mal que se estivesse a dar tanta importância ao Mourinho. Porque os ingleses são vingativos e um dia ele ia aparecer morto numa valeta, quase como o que aconteceu à princesa Diana. Oh caraças! Agora o homem devia andar a fazer as coisas consoante o que o pode matar ou não. Chegar ao ponto em que só se tem medo de morrer é mau. Ter medo é mau. Eu não gosto de ter medo. Infelizmente muitas vezes tenho, mas pronto, paciência.
Portanto, qualquer pessoa pode ganhar campeonatos em Inglaterra, ou não?
Parabéns ao Mourinho e a todos os portugueses que hoje puderam sentir-se felizes por terem ajudado os adeptos do Chelsea a ficarem felizes. Será que a Liga dos Campeões também é possí?vel esta época? Já agora dava jeito. Vá lá....
E o Benfica ganhar o campeonato este ano? Vá láááááá.......!!!!!!

This page is powered by Blogger. Isn't yours?